quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Resenha: Cadê Você, Bernadette?

Livro: Cadê Você, Bernadette?
Autor(a): Maria Semple
Ano: 2013
Páginas: 376
Livro Único


NÃO recomendo a leitura da sinopse, pois a mesma contém spoilers do livro.

Sinopse (Skoob): Bernadette Fox é notável. Aos olhos de seu marido, guru tecnológico da Microsoft e rock star do mundo nerd, ela se torna mais maníaca a cada dia; para as demais mães da Galer Street, escola liberal frequentada pela elite de Seattle, ela só causa desgosto; os especialistas em design ainda a consideram uma gênia da arquitetura sustentável, e Bee, sua filha de quinze anos, acha que tem a melhor mãe do mundo.
Até que Bernadette desaparece do mapa. Tudo começa quando Bee mostra seu boletim (impecável) e reivindica a prometida recompensa: uma viagem de família à Antártida. Mas Bernadette tem tal ojeriza a Seattle - e às pessoas em geral - que evita ao máximo sair de casa, e contratou uma assistente virtual na Índia para realizar suas tarefas mais básicas. Uma viagem ao extremo sul do planeta é uma perspectiva um tanto problemática.
Para encontrar sua mãe, Bee compila e-mails, documentos oficiais e correspondências secretas, buscando entender quem é essa mulher que ela acreditava conhecer tão bem e o motivo de seu desaparecimento. Maria Semple revela, em seu segundo romance, a influência de grandes escritores contemporâneos como Jonathan Franzen e Jeffrey Eugenides, ao mesmo tempo que se afirma como uma voz original, marcada pelo melhor humor das séries de TV norte-americanas. Sem sentimentalismos, mas com muita empatia, Cadê você, Bernadette? trata do amor incondicional de uma filha por sua mãe imperfeita.


Desculpem pela demora, meu plano era ler Ana Karenina, mas o livro simplesmente não acaba! Semanas lendo e ainda nem cheguei na metade (não que seja ruim, estou gostando muito). Para vocês terem noção, eu comecei a lê-lo no dia que publiquei o post do Desafio Literário 2015 e ainda li apenas 37%!!!!
Enfim, decidi ler 'Cadê Você, Bernadette?' após ler uma resenha falando muito bem sobre ele.
Bee é uma menina pequena para sua idade, devido à complicações que sofreu quando nasceu. Após mostrar o boletim mais-que-perfeito aos pais, pede uma viagem em família para a Antártida e, para sua surpresa, eles aceitam.
Bernadette Fox, com sua fobia de sair e socializar com pessoas, contrata uma assistente virtual da Índia para ajudá-la nas tarefas do dia a dia, como comprar roupas, reservar mesas em restaurantes. Resumindo, sua vida depende dela.
A narrativa é alternada entre o ponto de vista de Bee e os documentos e e-mails, em ordem cronologica dos acontecimentos. Isso nos ajuda a conhecer melhor outros personagem, como o pai de Bee, a vizinha dramática, a assistente administrativa Soo-Lin, e principalmente Bernadette e seu passado.
Na visão de Bee, a mãe é simplesmente a melhor que poderia ter, apesar de suas esquisitices. Por outro lado, temos Elgin, o marido de Bernadette, que insiste em acreditar que a mulher está aos poucos enlouquecendo.
Confesso que fiquei com muita raiva de Elgin no decorrer da história, que ao invés de conversar com a mulher, não teve dificuldades em aceitar tudo que diziam sobre ela. Mas Bernadette também não é santa, e realmente arranja muitas confusões no decorrer da trama.
Minhas personagens favoritas foram Bee e Bernadette, adorei a personalidade que cada uma tinha. Confesso que também gostei muito de Manjula, a assistente virtual, mas acho que isso foi apenas vontade de também ter uma que faça tudo por mim. Quer dizer, não uma exatamente como Manjula. Só lendo o livro para entender.
Apesar de ter lido que era um livro de humor, achei que acabou puxando mais para drama, especialmente por causa do final. Não foi um livro que achei engraçado, apesar de ter rido um pouco durante a leitura.


Concluindo: Adorei o livro, recomendo principalmente àqueles que querem algo para desestressar ou curar uma ressaca literária. Li em um dia, é uma leitura super gostosa. Não é um livro que mudou minha vida, mas fico feliz de ter tido a iniciativa de lê-lo.

Quotes:


"Acho que o que estou tentando dizer é que eu era um fantasma, dentro de um navio fantasma, em uma terra de fantasmas"


"-Papai - eu disse. - Eu não quero ferir seus sentimentos, mas...
-Mas o quê?
-Você tem acessórios demais. Eu nem consigo acompanhar."


Nota


Nenhum comentário:

Postar um comentário